12 Lendas Africanas com Lições importantes



Rico em história e cultura, a África é um continente que conta com tradições antigas muito interessantes. Exemplo disso são as lendas africanas, que nos fazem refletir sobre a vida de modo mais geral e traz importantes lições acerca dela, além de muitas vezes tratar sobre a religiosidade.

Logo abaixo, trouxemos algumas dessas principais lendas para que você possa conhecer e também refletir. Siga conferindo:

Lenda dos Tambores Africanos

Um grupo de macacos de nariz branco, presentes na região de Guiné-Bissau, certo dia sentiram vontade de atrair a Lua para mais perto, mas essa parecia uma missão complicada de ser realizada, até que um dia ideia surgiu.





Um dos macaquinhos sugeriu que eles fizessem uma escada entre si, com um subindo no outro até que pudessem alcançar a lua. E assim foi feito, até que o menor macaco subiu e tocou a lua, se agarrando a ela.

Porém, logo a pilha desmoronou e ficou somente esse macaquinho preso a lua. Eles fizeram amizade e a lua até o presenteou com um tambor, mas após algum tempo ele sentiu falta da sua casa e pediu para a nova amiga ajuda para voltar.

A lua concordou e pediu para que ao voltar para a terra, ele tocasse o tambor como forma de avisar a ela que chegou bem. Assim foi feito, e desde então o tambor se tornou um dos instrumentos musicais mais marcantes da África.

Lenda Ubuntu

Em visita ao continente africano, um pesquisador gostaria de entender quais eram os ideais que motivavam a população local. Para isso, resolveu colocar em prática um experimento simples com um grupo de crianças.





Então, colocou uma cesta repleta de frutas em uma árvore e distanciou o grupo, determinando que quem chegasse primeiro até o local poderia ficar com as frutas somente para si.

Após dar a largada para a corrida, algo inesperado aconteceu! Ao invés de correrem individualmente, as crianças deram as mãos e foram juntas até a árvore, alcançando a cesta com frutas ao mesmo tempo.

Ainda surpreso, o pesquisador perguntou o motivo da ação e uma criança o respondeu:

— Ubuntu! Um de nós não estaria feliz enquanto os outros estivessem tristes.

Desde então, Ubuntu se tornou um termo que simboliza a união entre os povos africanos.

O Leão que voava

Acredita-se que há muito tempo atrás o Leão tinha a capacidade de voar, sendo imbatível ao tentar alcançar qualquer presa. E no seu covil ele tinha uma regra bem específica: Os ossos dos animais que já havia matado não podiam ser quebrados.

Para garantir isso, deixava dois corvos brancos responsáveis pela guarda enquanto ia caçar. Certo dia em que isso aconteceu, um sapo invadiu o local e quebrou os ossos, dizendo que ninguém tinha o direito de matar todos os animais dessa forma.

Durante a caça, o Leão já não conseguia voar e imaginou que algo de errado havia acontecido. Ao voltar para o covil, descobriu tudo e foi atrás do sapo, que pulava entre as pedras do rio para fugir do Leão quando ele se aproximava.

A partir disso, o Rei da Selva desistiu de matar o sapo e também não conseguiu mais voar.

O Jabuti e o Leopardo

Certo dia, enquanto caminhava devagar pela floresta, o Jabuti acabou caindo sem querer em um buraco. Logo ele percebeu que não foi por acaso e que aquela era uma armadilha feita por caçadores.

Ele tentou sair de todas as formas, mas nenhuma delas funcionou. Não demorou muito para que a noite chegasse e, diante da escuridão, ficou com ainda mais medo em razão da chegada cada vez mais próxima dos caçadores que certamente o matariam.

Enquanto pensava nisso, foi surpreendido com a queda de um leopardo no mesmo buraco. Agora, ele tinha dois medos, pois mesmo que os caçadores não chegassem, ele ainda seria a presa do felino.

Ele se forçou a pensar e teve uma ideia! Sabendo que o leopardo não gosta de receber ordens, começou a mandar que ele saísse da sua toca, reclamando sobre ter invadido seu espaço e gritando enquanto fazia uma cara de bravo.

Irritado, o Leopardo jogou o Jabuti para fora do buraco. Agora, ele podia andar em passos lentos novamente, mas dessa vez para chegar a sua verdadeira casa.

Lenda do Baobá

Quando já estava finalizando a criação do mundo, Deus resolveu criar uma nova árvore que precisa ser forte, robusta e viver por muitos anos, para que assim pudesse carregaer consigo uma sabedoria única.

Foi então que criou o Baobá, que podia viver por milênios e ainda era a espécie mais alta, podendo admirar tudo ao seu redor e tendo espaço suficiente para manter em si aquilo que aprendesse ao longo dos anos.

No entanto, mesmo sendo o melhor, o Baobá não estava satisfeita e vivia se comparando, levando reclamações para Deus sobre o que queria ter das outras árvores, mesmo sabendo que ele já era o mais especial.

Então, Deus puniu a árvore a virando de cabeça para baixo, fazendo com que aprendesse que não deveria se comparar, mas sim se alegrar diante daquilo que já tinha.

Lenda de Abayomi

De acordo com essa lenda, muitas famílias africanas passavam meses nos navios negreiros, incluindo crianças que já vinham desde o continente ou que nasciam nesse local, demandando uma atenção também quanto ao que poderiam usar como brinquedos.

Então, as mães utilizam pedaços de pano e faziam amarrações, formando um modelo de boneca que ganhou o nome de Abayomi. Com isso, as crianças podiam brincar mesmo diante do local onde estavam.

Além de serem um objeto para brincar, as bonecas também levavam afeto e segurança para as crianças.

O Baú das histórias

Houve um período onde todas as histórias do mundo eram guardadas no céu, e aqui na terra não podíamos conhecer nenhuma delas. Então, Anansi resolveu que iria até o céu pedir para ter acesso a esses contos.

Para isso, usou sua teia e foi até lá. Ao chegar, encontrou com o Deus do céu e o pediu as histórias. Ele deu risada e disse que eram muito preciosas e por isso seria muito caro, pedindo como pagamento alguns dos animais mais perigosos da terra.

Como Anansi era muito esperto, aceitou e fez diversas armadilhas para capturar os animais, os utilizando como pagamento para comprar o baú de histórias.

Ao voltar para a terra com o baú e abrí-lo, todas as histórias se espalharam pela terra e até hoje podemos contar com a presença delas.

Lenda da Galinha D’Angola

Todas as aves viviam em união, mas uma delas despertava uma atenção pela sua beleza. Esse era o Melcro, um pássaro realmente bonito diante do brilho e tonalidade da sua plumagem, o que o fazia ser invejado pelas demais espécies.

Sabendo disso, o Melcro propôs um acordo, onde deveriam obedecer a ele e, em troca, usaria seu poder para tornar as outras aves igualmente bonitas. Por um tempo isso até deu certo, mas logo começou a desobediência.

Como forma de castigo, o pássaro transformou as aves em Galinhas D’Angola, com um corpo fraco e pintas semelhantes a de um leopardo, para que se tornassem presa deles, já que não suportariam ter outra espécie tão similar a si.

A Raposa e o Camelo

Uma raposa encontrou diversas lagartixas e comeu todas elas na beira do rio, mas logo percebeu que do outro lado haviam mais. Para atravessar, fez um acordo com o camelo onde o levaria para um campo de cevada em troca de carona na corcunda.

O camelo aceitou e logo fizeram a travessia. Enquanto a raposa aproveitava para comer as lagartixas, o camelo se deliciava com a cevada, mas ele acabou demorando mais do que o esperado pela raposa para terminar.

Então, ela começou a fazer barulho para irem embora e os donos da plantação ouviram. Ao perceber o que estava acontecendo, jogaram uma pedra para afastar o camelo e ele quase morreu por conta do machucado.

Ao melhorar, ele perguntou o motivo pelo qual a raposa tinha feito aquilo. Ela o respondeu que era um costume gritar após comer lagartixas e ambos seguiram novamente em viagem, dessa vez de volta ao outro lado do rio.

Durante a travessia, o camelo começou a dançar e enquanto a raposa tentava se equilibrar perguntou o motivo pelo qual fazia isso. Então, o camelo contou que era um costume dele após comer cevada.

A Raposa acabou caindo na água e sendo levada por ela.

Lenda de Anansi

De acordo com a lenda africana, Anansi seria uma figura híbrida, contando com metade do corpo em formato humano e a outra metade de uma aranha, tendo suas diversas patas que causaram muito medo sempre que vistas.

Muito inteligente, ele seria o responsável por trapacear e fazer pegadinhas com as pessoas, visando os ganhos próprios como o malandro que era. Nativa de Gana, essa lenda já se popularizou por grande parte do mundo.

Lenda de Iroko

Iroko teria sido a árvore mais antiga do mundo, e em algumas pessoas até mesmo capaz de causar medo. Isso fazia com que se divertisse e chegou a pregar algumas peças, mas na verdade usada todo o seu poder para o bem.

Vestida sempre de branco, a árvore habitava o seu espírito e acabou se tornando um importante símbolo africano, em especial para religiões como o Candomblé.

O Sapo e a Cobra

Certo dia, um Sapo acabou avistando a cobra e, curioso com a aparência do animal, se aproximou dele. A partir disso se apresentaram um para o outro e logo a cobra convidou o sapinho para brincarem, e é claro que ele aceitou.

Passaram  a tarde inteira se divertindo e o sapo até a ensinou como pular, enquanto a cobra ensinou para ele como poderia rastejar. Antes de anoitecer precisaram se despedir, mas combinaram de sair para brincar no dia seguinte.

Ao chegar em casa, o sapo contou para a família o que tinha acontecido e sua mãe o repreendeu, avisando que a cobra é venenosa. Já a cobra também falou sobre em casa, mas seus pais disseram que o sapo deveria servir somente como alimento.

No dia seguinte não brincaram novamente e a cobra optou por se distanciar para não ter que comer o amiguinho, mas desde então ambos ficaram lembrando da tarde divertida que viveram.

....